Distúrbio do Sono

 

Apnéia

A síndrome da apnéia/hipopnéia obstrutiva do sono (SAHOS) é caracterizada por obstrução parcial ou total das vias aéreas superiores, que leva a interrupções intermitentes da ventilação, alterações dos gases arteriais, do padrão normal de sono, e conseqüentemente sintomas diurnos. O diagnóstico e tratamento precoce são importantes para evitar complicações graves, como retardo de crescimento, atraso do desenvolvimento, hipertensão pulmonar e morte. A SAHOS em pediatria é uma entidade diferente da vista em clínica médica por ter epidemiologia, quadro clínico, fatores de risco, fisiopatologia e tratamentos distintos.

A apnéia representa a parada total do fluxo aéreo por período de 10 segundos ou mais, podendo ser central, quando não ocorre esforço respiratório, obstrutiva, quando, apesar da parada no fluxo aéreo, o esforço respiratório está presente e mista . A hipopnéia difere da apnéia no sentido do fluxo aéreo estar somente diminuído e não ausente.

Tratamento para a Apnéia

Para os indivíduos com apnéia do sono obstrutiva, as primeiras medidas a serem tomadas são deixar de fumar, evitar o uso excessivo de bebidas alcoólicas e perder peso. Aqueles que roncam muito e engasgam frequentemente durante o sono não devem tomar tranquilizantes, medicamentos para dormir e outros sedativos. Os indivíduos com apnéia do sono central habitualmente são beneficiados com o uso de um respirador artificial, o qual é utilizado durante as horas de sono. A mudança de posição durante o sono é importante. Os indivíduos que roncam são aconselhados a dormir de lado ou com em decúbito ventral, com a face voltada para baixo.

O tratamento atual se divide em 3 modalidades, tendo como base a freqüência das apnéias (IAH), a presença ou não das anomalias anatômicas referidas, a fragmentação do sono, obesidade e idade entre outras.

1ª Modalidade: CPAP

O tratamento mais indicado numa grande parte dos pacientes é a prótese ventilatória - CPAP ou BIPAP, que consiste na aplicação de uma pressão positiva contínua (mediante um compressor de ar e máscara nasal) que mantém permeável a via aérea superior, impedindo seu colapso principalmente na fase inspiratória.

2ª Modalidade: Aparelho oral

É uma alternativa para o tratamento do ronco e da Apnéia Obstrutiva de leve e moderada intensidade. O ronco que afeta uma grande parcela de indivíduos em nossa sociedade criando problemas sociais e incômodo a outras pessoas, pode ser prenúncio de um sério problema médico. Nem todo roncador tem problema de apnéia, porém, quase todo indivíduo que tem apnéia é roncador. Conseqüentemente, o roncador pode estar escondendo uma importante apnéia.

O tratamento com aparelho oral é feito por um dentista especialista, habilitado à manusear aparelhos orais para tratamento do ronco ou da Apnéia Obstrutiva.

 

 

Após o exame do paciente avaliando a oclusão dentária, ATM (Articulação Temporo - Mandibular), hábito intra-oral, dentes, tecido periodontal etc, o dentista solicita radiografias panorâmicas e cefalométricas em três posições e modelos, definindo assim, qual o tipo de aparelho oral a ser indicado: reposicionador mandibular, retentor lingual ou outras modalidades de aparelho.

O aparelho oral é confortável feito de uma resina termo-elástica com um expansor metálico que permite o movimento lateral, vertical e reposicionamento protusivo da mandíbula, progressivamente até a eliminação do ronco ou da Apnéia Obstrutiva.

3ª Modalidade: Indicação Cirúrgica

A indicação cirúrgica representa a terceira modalidade de tratamento. A traqueotomia foi inicialmente utilizada, tendo sido abandonada por suas complicações, efeitos colaterais e o surgimento de outras técnicas cirúrgicas. A uvopalatofaringoplastia é geralmente utilizada em pacientes com obstrução a nível da orofaringe, podendo ser realizada por cirurgia convencional, a raio lazer ou, mais recentemente, por ondas de rádio freqüência que é uma forma de energia térmica de alta voltagem.

Outras modalidades de cirurgia são também indicadas em menor freqüência tais como: cirurgia maxilofacial com miotomia e suspensão do hióide na obstrução a nível da base da língua, osteotomia mandibular com avanço do genioglosso na obstrução a nível retroglossal; glossectomia na vigência de macroglossia; osteotomia mandibular e maxilar associada a tratamento ortodôntico entre outras.

E m alguns casos o tratamento deverá ser modificado na dificuldade da adaptação ou aceitação pelo paciente ou distintas modalidades terapêuticas poderão ser conjugadas ou associadas.


Dreamcare - Clinica do Sono - Todos os direitos reservados ® | Site desenvolvido por ECOS ©